Relato WDCD Live São Paulo 2017: Dia 1 / parte 1

“Designers devem começar a co-criar com a tecnologia”

https://www.whatdesigncando.com/wp-content/uploads/2017/12/Day1_Requena_JosedaHolanda-968x554.png

Published in WDCD by

“Já entramos na era onde as máquinas estão produzindo design e devemos começar a co-criar com inteligência artificial”. Juliana Proserpio, que nos surpreendeu com esta observação logo no início do WDCDSP, acredita que a tecnologia pode nos ajudar a projetar futuros desejáveis. À medida que o primeiro dia evoluiu, a tecnologia surgiu como fio durante a maioria das palestras.

“É realmente importante que o design não seja algo a ser feito apenas por designers”, disse o diretor criativo e co-fundador do WDCD, Richard van der Laken, na abertura do evento. “É por isso que estou feliz por conseguirmos trazer pessoas de diversas áreas de especialização para a conferência. É muito importante que juntemos nossos mundos e que aprendamos uns com os outros.”

Richard van der Laken na abertura do WDCD São Paulo 2017 / foto José de Holanda

“Esse intercâmbio também é a razão para trazer a WDCD para o Brasil”, disse ele. “Brazil e São Paulo em particular, tem uma enorme força criativa e uma cultura de design que usa uma abordagem holística sobre coisas. Três anos atrás, decidimos trazer o que o WDCD para São Paulo, porque pensamos que temos muito a oferecer, mas também porque estamos convencidos de que podemos aprender muito com a cultura do design brasileiro.”

Inteligência artificial

Juliana Proserpio, fundadora da agência de design thinking Echos, começou o dia com uma apresentação bem convincente sobre desenhar o futuro que queremos, em vez de melhorar o que já está aqui. Proserpio propõe projetarmos com uma ideia clara como queremos que o futuro seja. “Nós, humanos, somos todos designers das nossas vidas, nossas relações, nossa sociedade e devemos saber que podemos mudar as coisas, diz ela. “E a tecnologia pode nos ajudar com isso”, argumenta Proserpio, referindo-se ao filme Sunspring que foi inteiramente escrito por inteligência artificial. Ela apontou que já entramos na era em que máquinas estão criando design. Em vez de temer esse fato, podemos abraçá-lo e começar a co-criar com a tecnologia para esboçar os cenários para um futuro desejável.


Juliana Proserpio / foto José de Holanda

A Echos usou essa abordagem em um método que ajuda as pessoas a imaginar um mundo em que todos os sexos sejam iguais, como parte de uma pesquisa em colaboração com o WDCD sobre desigualdades de gênero e violência contra mulheres. Este método de criar uma espécie de história de ficção científica de como o mundo deveria ser em 2030 pode também ser aplicado às  mudanças climáticas, conta, Proserpio, concluindo com este simples encorajamento: “Vocês podem ser os designers de suas vidas. Juntos podemos projetar o futuro do Brasil”

Olhando para a luz

À tarde, o arquiteto brasileiro Guto Requena também argumentou a favor da tecnologia. Requena nos mostrou que a tecnologia e a humanidade não são necessariamente opostas e que a tecnologia pode nos trazer amor. Requena começou dizendo que ele cresceu em um mundo de violência, em que algum dia o cão de sua família foi morto como um aviso, ele uma vez foi sequestrado por vários dias e, seu pai foi brutalmente assassinado por razões desconhecidas.


WDCD Live São Paulo 2017  / foto José de Holanda

“Um dia, eu decidi que pelo resto da minha vida eu eu não iria mais olhar para a escuridão, apenas para a luz “, disse Requena. Seu objetivo como arquiteto é tornar este mundo, e certamente seu país, um lugar melhor e ele mostrou como a tecnologia pode ser uma grande aliada nisso. “O futuro do design são os sistemas e interfaces”, disse ele, enquanto mostrava a fachada do Hotel WZ que ele redesenhou em 2015. A estrutura de luz reflete os níveis de ruído e poluição do ar que cercam o hotel e funcionam como expressão do estado do meio ambiente.

No projeto Me conta um segredo? (2016) Requena projetou um mobiliário interativo para uma praça pública em uma área relativamente rica de São Paulo, onde muitos imigrantes vivem. A praça, anteriormente desocupada, se encheu de pessoas no momento em que o mobiliário foi instalado. Na instalação, as pessoas podiam gravar um segredo que outros poderiam ouvir de volta enquanto estão sentados nos bancos. Quando Requena testemunhou um homem nigeriano mais velho e uma mulher coreana conversando entre si enquanto estavam sentados um ao lado do outro, ele percebeu que o projeto era um sucesso.

Mas Requena realmente conquistou a audiência com o seu Love Project, no qual os dados biológicos coletados através de sensores de cérebro e coração de pessoas que foram convidadas a contar uma história de amor foram usados para criar lindos objetos exclusivos. O projeto oferece às pessoas a oportunidade de entregarem umas as outras uma história de amor de uma forma tangível, como por exemplo, uma jóia.

“É um produto baseado em emoções “, disse Requena. “Imagine se começarmos a criar arquitetura baseada em sentimentos”, concluiu. Guto Requena é claramente alguém que precisamos assistir de perto.

Guto Requena / foto José de Holanda

Design generativo

Quem sabe, talvez um dia possamos alimentar os sentimentos do software que a Autodesk criou para ajudar os designers a criarem hardware. Joe Speicher, CEO da Autodesk Foundation, explicou que o novo software é destinado ao que ele chama de “design generativo”. Com base em dimensões e outros critérios, o programa pode gerar milhões de interações de um design. “Você pode usar o software para otimizar o custo, o peso, a sustentabilidade e muitos outros critérios”, disse Speicher. “Geometrias completamente novas surgem daí”.


Joe Speicher / foto de José de Holanda

O desafio de se adaptar às mudanças climáticas também pode se beneficiar deste programa, Speicher continuou. Ele falou sobre  o fogão de cozinha Biolite, um produto que se tornou mais eficiente em energia por causa do software e mencionou como a ferramenta pode ser usada para arquitetura resiliente. Não devemos ter medo da tecnologia, mas usá-la como uma ferramenta para projetar soluções para um mundo melhor, concluiu Speicher.

Salve os humanos

Ao fechar o dia, Pete Hellicar, que iniciou sua palestra com uma bela música, posicionou-se na encruzilhada da arte, design e tecnologia. Ele compartilhou uma história pessoal sobre uma amiga, uma ativista ambiental, que recentemente morreu em um acidente de avião na Amazônia. Em sua última conversa com ele, ela falou sobre salvar o planeta. Isso fez Hellicar pensar. “Este planeta tem 4,5 bilhões de anos, o homem tem 300 mil anos de idade no melhor momento, a revolução industrial começou há 200 anos”, disse ele. “Meu palpite é que a Terra não se importa. Não se trata de salvar o planeta, mas de salvar os humanos.”

Pete Hellicar / foto José de Holanda

Uma das instalações interativas que Hellicar mostrou neste contexto foi para a instalação do Greenpeace no Festival de Glastonbury em 2013. Para a campanha Save the Arctic foi criada uma cúpula que ofereceu às pessoas a oportunidade de desaparecer através de uma fenda no gelo e embarcar em uma mágica e minuciosa viagem ao Pólo Norte. As imagens caleidoscópicas ajudaram a comunicar a importância do ártico – essa região selvagem intocada localizada no topo do mundo, em risco por causa das mudanças climáticas e da exploração. A instalação foi uma das principais atrações, resultando em 4.000 assinaturas adicionais para a campanha.


Imagem superior: Guto Requena / foto de José de Holanda

 

Subtitles:

 

Durante o happy hour, Hellicar pediu ajuda aos brasileiros para descobrir o uso de um brinquedo local que seu filho obteve de seu amiga, a ativista ambiental.

 

Jurgen Bey (à direita) juntou-se à brincadeira …

 

… enquanto Hellicar deu outra tentativa

Durante o happy hour, Hellicar pediu ajuda aos brasileiros para descobrir o uso de um brinquedo local que seu filho obteve de seu amiga, a ativista ambiental

Durante o happy hour, Hellicar pediu ajuda aos brasileiros para descobrir o uso de um brinquedo local que seu filho obteve de seu amiga, a ativista ambiental

Jurgen Bey (à direita) juntou-se à brincadeira ...

Jurgen Bey (à direita) juntou-se à brincadeira ...

... enquanto Hellicar deu outra tentativa

... enquanto Hellicar deu outra tentativa

Sign up for our newsletter