“O nível dos inscritos é bem alto”

INSCRIÇÕES DE 70 PAÍSES, DE MUITAS PARTES DO MUNDO

Published in Main stories by

Avaliações das inscrições do WDCD Climate Action Challenge nos mostra, mais uma vez, projetos vindos de todos os cantos do mundo. Participantes de 70 países diferentes enviaram 384 projetos. Os países que mais enviaram projetos foram Brasil e Holanda, reforçando a base forte que o WDCD tem atualmente nos dois países. Em terceiro lugar está a Índia.

A divisão de diferentes profissionais neste Challenge está equilibrada: 170 projetos de profissionais criativos, 122 projetos de estudantes e 93 startups. As ideias por tema também vieram divididas (com muitos projetos envolvendo múltiplos assuntos): Energia, 222 projetos; Água, 193; Alimentação, 137; Saúde, 134 e Habitação, 115.

Observando as abordagens do design, notamos uma clara preferência por Produtos e Espaços (257), seguida por Sistemas (158), Serviços (127) e Comunicação (109).

ALTO NÍVEL

“Nossa impressão geral é que a qualidade dos projetos inscritos é ainda maior do que o Challenge do ano passado”, afirma Dagan Cohen, que comanda o desafio. “Buscamos mais inscrições de profissionais, e foi isso que tivemos. É igualmente positivo ver que não alcançamos apenas criativos e empreendedores europeus e norte-americanos, que era outra de nossas metas e a razão pela qual nos adaptamos. Agora está nas mãos do comitê de jurados escolher os 45 projetos mais interessantes (5 de estudantes, 20 de profissionais e 20 de startups). Estamos ansiosos para ver quais projetos estarão entre os selecionados anunciados no dia 21 de outubro!

GRANDE VARIEDADE

A variedade de projetos entre os quais os jurados terão de fazer a seleção é ampla. Do projeto Oregon Human Climate Readiness Assessment, da professora Deborah Morrison, da Universidade de Oregon, ao Smart Rainbarrel, do designer holandês Bas Sala. O primeiro ajuda habitantes do Oregon a se preparar para temperaturas extremas; e o projeto de Sala está conectado à internet e reage a previsões do tempo, liberando ou racionando água.

Da Índia veio a proposta do Funnel Farming, um método universalmente possível para o cultivo em terras secas, permitindo que os agricultores iniciem as suas plantações em pouco tempo, melhorando também a qualidade do solo. O designer holandês Jurgen Bey (Studio Makkink & Bey), por sua vez, propõe fundar a Water School em Dwarka, India, que será construída pelos próprios alunos junto de novos designers, artistas e artesãos selecionados. O projeto ensinará aos participantes as maneiras mais sustentáveis de construir e economizar água.

Saiba mais sobre todos os outros projetos em: challenge.whatdesigncando.com.  

Sign up for our newsletter